| 30 novembro, 2019 - 12:36

“Doleiro dos doleiros” diz que pagou propina a procurador da Lava Jato, Januário Paludo

 

Dario Messer disse a sua namorada, em uma conversa interceptada pela Polícia Federal, que pagou propina mensal ao procurador Januário Paludo

Conhecido como o “doleiro dos doleiros”, Dario Messer disse a sua namorada, em uma conversa interceptada pela Polícia Federal, que pagou propina mensal ao procurador Januário Paludo, integrante da força-tarefa da “lava jato” no Ministério Público Federal do Paraná. A propina, segundo o doleiro, seria para evitar que ele fosse investigado.

Reprodução/FacebookDoleiro disse que pagava propina mensal ao procurador Januário Paludo

Os diálogos entre Messer e a namorada foram revelados neste sábado (30/11) pelo UOL. Segundo a reportagem, a conversa ocorreu em agosto de 2018 e foi obtida pela Polícia Federal do Rio de Janeiro. Em um relatório produzido em outubro, a PF classificou o fato como “grave” e cobrou providências. O documento já foi enviado à Procuradoria-Geral da República.

Na conversa, Messer diz à namorada que uma testemunha de acusação de um dos processos contra ele teria uma reunião com Paludo. “Sendo que esse Paludo é destinatário de pelo menos parte da propina paga pelos meninos todo mês”, afirmou o doleiro. Os meninos citados por Messer, segundo o UOL, seriam seus auxiliares em operações de lavagem de dinheiro e que, hoje, se tornaram delatores da “lava jato”.

Januário Paludo é um dos mais antigos integrantes da força-tarefa da “lava jato” e também um dos mais experientes. Atuou no caso Banestado nos anos 90. O nome dele apareceu algumas vezes na “vaza jato”, série de reportagens com conversas privadas de procuradores que atuam na operação. Em uma delas, Paludo desdenhou do pedido do ex-presidente Lula para deixar a prisão e acompanhar o velório do irmão. “O safado só queria viajar”, disse.

Em nota, o MPF-PR repudiou “suposições infundadas contra o procurador”. “A ação penal que tramitou contra Dario Messer em Curitiba foi de responsabilidade de outro procurador que atua na procuradoria da República no Paraná, o qual trabalhou no caso com completa independência. Nem o procurador Januário Paludo, nem a força-tarefa atuaram nesse processo”, diz a nota.

Ainda segundo o MPF, Messer é alvo de investigação na “lava jato” do Rio de Janeiro, “razão pela qual não faz sequer sentido a suposição de que um procurador da força-tarefa do Paraná poderia oferecer qualquer tipo de proteção”. Por fim, os integrantes da força-tarefa afirmam ter plena confiança no trabalho de Paludo, “pessoa com extenso rol de serviços prestados à sociedade e respeitada no Ministério Público pela seriedade, profissionalismo e experiência”.

Conjur


Leia também no Justiça Potiguar

Comente esta postagem:

Justiça Potiguar