xanax 2mg fast shipping where to buy adipex 37.5mg in bangkok Xanax effects on brain where to purchase ativan with prescription order ultram mississippi order valium online cheap
 | 30 janeiro, 2021 - 15:00

Após ser chamada de “desqualificada” e “porta de cadeia”, advogada processa presidente da OAB e pede indenização de R$ 100 mil

 

A advogada Luciana Pires, que defende o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no caso da rachadinhas (esquema de desvio de salários de funcioários de gabinete), protocolou nesta sexta-feira, 29, uma ação por danos morais contra o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz. O processo foi distribuído na 17ª Vara Cível do Rio de Janeiro.

Reprodução O Globo

A advogada Luciana Pires, que defende o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no caso da rachadinhas (esquema de desvio de salários de funcioários de gabinete), protocolou nesta sexta-feira, 29, uma ação por danos morais contra o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz.

O processo foi distribuído na 17ª Vara Cível do Rio de Janeiro. A advogada pede uma indenização de 100 mil reais. A ação foi protocolada pelo advogado de Luciana, Rodrigo Ribeiro.

Em entrevista ao jornal Extra, o presidente da OAB se referiu a Luciana como advogada de porta de cadeia e desqualificada. Por entender que o tom das declarações foi pejorativo, a defensora resolveu processar Santa Cruz.

A troca de farpas começou por causa das duas vagas de desembargador no Tribunal de Justiça do Rio que serão abertas este ano e que serão destinadas a advogados. O nome de Luciana chegou a circular como candidata. Foi nesse contexto que Santa Cruz fez a declaração à coluna de Berenice Seara: “Não há qualquer chance de essa advogada de porta de cadeia entrar em uma lista da OAB”, disse o presidente da OAB, completando que “gente desqualificada não entra na lista”.

Luciana disse que não será candidata e já havia respondido na publicação às declarações de Santa Cruz. “Quando o presidente de uma instituição ataca uma colega de forma irresponsável e gratuita, demonstrando um desequilíbrio emocional incompatível com o cargo que exerce, e além disso se comporta como líder mafioso, dizendo abertamente que é ele quem controla quem entra ou não na lista de candidatos do que quer que seja da OAB, ja passou da hora de repensar a permanência desse senhor na liderança da respeitável instituição à qual pertenço”, afirmou.

Em abril de 2015, quando era presidente da seccional fluminense da OAB, Santa Cruz nomeou Luciana presidente da Comissão de Direito Militar.

Veja


Leia também no Justiça Potiguar

Comente esta postagem:


Sitemap