where to purchase clonazepam 1mg online europe generic sibutramine 029 buy drug soma 350mg online in uk purchase Sibutramine 15mg online legit cost of ambien where to purchase alprazolam 1.5mg online with prescription buy meridia medication online
 | 20 novembro, 2020 - 13:23

Feminicídio: júri em Assu condena acusado de matar amante a 22 anos de prisão

 

Sessão do júri popular na comarca de Assu condenou José Tiago Martins, 33, a pena de 22 de anos reclusão, em regime inicial fechado, pela prática dos crimes de feminicídio e de aquisição ilegal de arma de fogo. Presidido pelo juiz Marivaldo Dantas, da 3ª Vara de Assu, o júri o considerou culpado pelo homicídio

Sessão do júri popular na comarca de Assu condenou José Tiago Martins, 33, a pena de 22 de anos reclusão, em regime inicial fechado, pela prática dos crimes de feminicídio e de aquisição ilegal de arma de fogo. Presidido pelo juiz Marivaldo Dantas, da 3ª Vara de Assu, o júri o considerou culpado pelo homicídio de Ana Maria de Araújo, de 45 anos, morta com cinco tiros em uma estrada carroçável no bairro Colorado, no dia 24 de março de 2018. O réu também foi condenado a pagar indenização de R$ 50 mil, aos filhos da vítima, por dano moral.

Reprodução

Segundo a denúncia do Ministério Público, José Tiago e Ana Maria mantiveram relacionamento durante quatro meses, até a data do crime. Nesse dia, eles marcaram um encontro. Ao chegarem em uma estrada carroçável, o acusado sacou a arma e efetuou um disparo contra a cabeça da vítima, sem qualquer chance de defesa. Em seguida, retirou Ana Maria do veículo e disparou mais cinco vezes. Na sequência, deixou a vítima no local, escondeu a arma do crime no quintal de sua casa e guardou o carro na casa de sua mãe.

Durante o júri, realizado na quarta-feira (18), ainda segundo a denúncia, José Tiago retornou ao local do crime para se misturar aos populares e não levantar suspeitas. Mas seu comportamento chamou atenção e ele foi detido no local para prestar esclarecimentos na delegacia. Ao buscarem seus documentos na residência da mãe, encontraram o carro utilizado no crime, e ele acabou confessando o homicídio.

O acusado disse que matou Ana Maria de Araújo porque ela ameaçava que poderia revelar o caso que havia entre os dois para a sua esposa e também de deixar de lhe ajudar financeiramente.

O conselho de sentença decidiu que o réu cometeu o crime de homicídio qualificado por motivo fútil e mediante recurso que impossibilitou ou tornou impossível a defesa da vítima e por ter sido cometido contra mulher por razões da condição de sexo feminino e em condição de violência doméstica.

Ao tratar da culpabilidade em relação ao crime de feminicídio, a sentença anota que “além do relacionamento pré-existente com a vítima, esta recebeu 5 tiros, dos 6 disparados, revelando a sanha de perpetrar o crime”.


(Processo nº 0100078-48.2018.8.20.0160)


Leia também no Justiça Potiguar

Comente esta postagem:


Sitemap