cheapest generic Meridia 15mg online with mastercard purchase clonazepam 2mg in canada ambien 10mg uk purchase generic xanax with mastercard want to buy clonazepam 1mg with mastercard klonopin 1mg prescription discount card buy generic tramadol 100mg online in canada
 | 9 dezembro, 2019 - 11:06

Juiz reconhece vínculo empregatício de entregador do iFood

 

O entregador questionava os direitos na Justiça do Trabalho após trabalhar por quase um ano nesta atividade.

Foto: Shutterstock

Em decisão inédita no Estado, o juiz Flávio Luiz da Costa, da 2ª Vara do Trabalho de Maceió, reconheceu o vínculo empregatício de um motoboy que fazia entrega de comida pelo serviço de aplicativo e determinou que ele fosse indenizado sob o regime da lei trabalhista. O entregador questionava os direitos na Justiça do Trabalho após trabalhar por quase um ano nesta atividade.

O magistrado não só fez reconhecimento como determinou que a empresa faça a anotação, na carteira de trabalho do funcionário, da data de admissão como também da data de desligamento dele. O salário também deve estar expresso.

Caracterizado o vínculo, o motoboy deverá receber a indenização trabalhista, conforme decisão do juiz. Fica assegurado a ele o pagamento do aviso-prévio indenizado de 30 dias, 13º salário proporcional de 2018, 13º salário proporcional de 2019, férias proporcionais mais 1/3 de 2018 e 2019 e indenização compensatória equivalente ao FGTS mais 40% da multa. Flávio Costa ainda determinou o pagamento do adicional de periculosidade de 30% sobre o valor do salário.

Para o juiz, ficou comprovado pelo trabalhador, de forma “firme e consistente”, o preenchimento dos requisitos celetistas da pessoalidade, da onerosidade, da não-eventualidade, e da subordinação, não tendo conseguido a empresa IFOOD comprovar, em sentido contrário, que a relação possuía natureza diversa de um contrato de emprego.

Apesar do ineditismo, a empresa ainda pode ingressar com recurso no Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região para tentar reformular a sentença.

“A decisão, inédita em Alagoas, abre um importante precedente no sentido de viabilizar a proteção social de trabalhadoras e trabalhadores de empresas de transporte por aplicativo, aos quais passam a ser assegurados todos os direitos de ordem trabalhista e previdenciária. É uma luz de sanidade nessa loucura em que o ser humano parece absolutamente irrelevante no contexto econômico. Esse papel exercido pela advocacia trabalhista, pelo judiciário e pela procuradoria é insubstituível, a sociedade conta conosco”, disse o presidente da Associação dos Advogados Trabalhistas de Alagoas (AATAL).

GazetaWeb


Leia também no Justiça Potiguar

Comente esta postagem:


Sitemap